segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

A queda dos juros americanos

O FOMC (Federal Open Market Committee) cortou recentemente os juros dos chamados Fed Funds em 0,5%--de 3,5% para 3,0%. Isto ocorreu apenas 8 dias após um corte emergencial de 0,75%--de 4,25% para 3,5%, em uma reunião extraordinária do FED com o propósito de deter a onda de pânico do mercado em relação a uma recessão americana.
Antes da divulgação da ação do FED as bolsas americanas estavam em baixa na expectativa do pronunciamento. O mercado especulava que:


  1. Se o corte for de 0,25% fica aquém da expectativa e a bolsa deve cair

  2. Se o corte for de 0,50% fica dentro da expectativa e a bolsa deve ficar estável

  3. Se o corte for de 0,75% fica acima da expectativa e a bolsa deve subir

Wall Street concorda com a análise de Alan Greenspan de que o EUA está no caminho da estagflação--uma redução da atividade econômica em conjunto com alta inflação. A inflação será provocada pelo aumento de preços de alimentos e do petróleo. O mercado não enxerga a perspectiva de cortes adicionais de juros no futuro imediato. A queda de juros enfraquece o dólar que por sua vez alimenta a inflação pelo aumento dos preços de importação. Portanto, toda essa queda de juros acaba não favorecendo a bolsa dos EUA e do mundo.

Um comentário:

Roberto Renner, Paulo Farina disse...

Caro John Tong,

Além do que foi escrito no seu post, acreditamos que as condições para a formação de uma nova bolha especulativa foram criadas. Gostaria de lhe convidar a conhecer o nosso blog e opinar sobre o assunto:

www.rennerfarina.blogspot.com

O blog acima é escrito por mim e por Paulo Farina, que te manda um abraço com saudade das tardes de longas conversas na Solidus.

Até breve!