segunda-feira, 14 de abril de 2008

Petrochina

Em outubro último, Petrochina, que é negociada na bolsa de Shanghai, atingiu o valor “surreal” de capitalização de mercado de US$ 1 trilhão. Esta cifra equivale ao PIB da Índia e ultrapassa em US$ 600 bilhões o valor da ExxonMobil. De 2003 até novembro de 2007 as ações da Petrochina subiram 7 vezes. Warren Buffett vendeu as suas 2,3 bilhões de ações em outubro último, no topo do mercado.
Agora a situação mudou. Petrochina teve de pagar US$ 100 por barril de petróleo no mercado internacional para suplementar a deficiência da produção doméstica. Ao mesmo tempo, por ordem do governo para subsidiar os preços do combustível para os consumidores domésticos, os preços da gasolina e do diesel refletem US$ 60 por barril de petróleo. O governo está preocupado com a taxa anual de inflação de 7,1%.
Este filme a gente já viu muitas vezes ao redor do mundo. Os meus leitores imediatamente ficam alertados, e a primeira palavra que vem à mente é “Petrobrás”. Será que a mesma coisa vai acontecer com Petrobrás?
Ou já está acontecendo?
Para qualquer governo, controle de inflação é prioritário. Mais lucro ou menos lucro na Petrobrás é assunto secundário.
Um consolo: “a ação que mais sobe é a ação que mais cai.” Nos últimos quatro meses Petrochina caiu 40% (em Shanghai e Hong Kong) após ter subido 700% em quatro anos. Como Petrobrás não subiu 700%, a queda deve ser menos violenta do que 40%.
Petrochina é um bom “case study”, um bom paralelo com a nossa Petrobrás.
Comentários?

4 comentários:

Fernando Schalpe disse...

Sr.Tong,
Concordo com o raciocinio. Acho que já está acontecendo com a Petrobrás. Há quase 3 anos existe o subsídio de preços que não são repassados ao consumidor. A ação está sendo movida inteiramente pelo preço internacional do petróleo e notícias de descobertas de novas jazidas.
Parabens pelo Blog
Fernando

jorge disse...

Diferente da Petrochina, a petrobras tem reservas de petroleo e gas, que deve sustentar o preço da ação. Se a petrochine tem comprar no mercado internacional e vender no mercado interno com subsidio, está frita !é isso que aconteceu?
sr.tong, pode esclarecer ?

Anônimo disse...

Concordo com o Jorge.

Acho que Petrobras está "sentada" em recursos que ainda não são totalmente mensurados e demorarão uns 5 anos para sê-los. Petro vai ser muito maior e mais importante do que é hoje.

Como meu horizonte de poupança com ações é aprox 20 anos, e eu nunca vendo bons papéis, cada vez que Petro cai mais que o Ibov eu compro um pouquinho.

Exemplo: comprei Petro numa queda que houve em março a 69 reais e hoje está a 85 reais.

Parabéns pelo blog,
Carlos

Anônimo disse...

Também concordo com o Carlos.

O potencial da Petrobras é enorme e difícil de ser mensurado.

É bom investir num papel fundamentado seguro e que esta suscetível a "surpresinhas", ou seja, novas descobertas.

Parabéns pelo Blog,
Roni Hajnal